Publicado em Tag -Entrevistas

Emerson Godois

 Área de Atuação: Locutor do programa Tribo Rock pela radio voz livre FM

Cidade: São Ludgero- SC

Graduando em Museologia 8ª fase, Membro da academia Orleanense de Letras, ocupando a cadeira nº 13, Poeta, escritor e compositor ( três livros publicados), Residindo atualmente em Orleans- SC.

Imagem

Postura Urbana: Onde busca inspiração para escrever?
Emerson Godois: A vida e seus acontecimentos inspiram-me a cada dia, minha inspiração é tão peculiar que dificilmente consigo defini-la, posso dizer que a inspiração é uma força inexplicável que me move incansavelmente. A vida, o presente e o instante, de certa forma, contribuem e inspiram-me.

Postura Urbana: Quem são seus escritores de cabeceira?
Emerson Godois: Carlos Drummond de Andrade, Nietzsche, Rubem Alves, José Ingenieros, José Saramago, Richard Dawkins, Fernando Pessoa, entre outros.

Postura Urbana: Sei que gosta de Engenheiros do Hawaí, musicalmente falando o que você ouve além deles?
Emerson Godois: Humberto Gessinger é um grande artista, suas composições são admiráveis e me fazem bem, além de Engenheiros ouço diversas bandas de rock, sou muito eclético em relação a musica. Algumas bandas e artistas que faço questão de citar nesta entrevista são Legião Urbana, Cazuza, Raul Seixas, Iron Maiden, Rush, Motorhead, Mercyfull Fate, The Beatles, The Doors, Pink Floyd, Led Zeppelin e mais alguns que não lembro neste momento.

Postura Urbana: Você acha que em um país como o nosso, onde a Educação é precária, ler é artigo de luxo?
Emerson Godois: Em um País onde educação não é prioridade, ler é fazer a diferença, não digo que seja um “Artigo de Luxo”, porém todos podem melhorar suas visões de mundo e libertar sua mentes através da leitura, os livros estão em todos os lugares e muitos dos livros que eu li, não precisei comprar (dizer que o livro é caro tornou-se uma desculpa “barata” para aquelas pessoas que não tem o habito da leitura).

Postura Urbana: O que você não lê de jeito nenhum?
Emerson Godois: Não suporto livros de Auto- ajuda, que na minha humilde opinião, não ajudam em nada!

Postura Urbana: Como começou sua carreira de escritor?
Emerson Godois: Comecei desenvolver meus primeiros trabalhos aos 14 anos, sempre fui inquieto e questionador, com o passar do tempo, fui aprimorando estas virtudes. Não vivo com a venda de meus livros, porém faço porque gosto, e escrever tornou-se uma necessidade. Meu primeiro livro lancei em 2004, “Reflexo Na Alma”( Poemas e Poesias), o segundo livro lancei em 2010, “Paraiso Dos neuróticos”(Poemas, pensamentos e Reflexões) e o terceiro livro lancei recentemente, “Horas Vagas” (Poesia Filosófica)

Postura Urbana: Seu ateísmo influencia no que você escreve?
Emerson Godois: Com certeza, principalmente neste terceiro livro, faço questionamentos  e abordo assuntos polêmicos, como religião, sexo, politica através de minha visão cética em relação a estas questões. Na pagina 8 do livro “Horas Vagas” deixo bem claro, que não comemoro, não imploro, não adoro e não frequento nenhuma religião. Conceitos de bem  e mal, foram construídos por seres humanos, Deus é apenas uma palavra polissêmica. Posso ousar em dizer, que, conheci a verdade e a verdade me libertou….da Igreja. Pensar por si mesmo, é um privilegio de poucos, o rebanho apenas acredita, porém não tem argumentos convincentes, devido à carência de conhecimento, para debater e explicar sobre suas crenças ou crendices. Feliz daquele que livrou-se da ignorância, e libertou sua mente para este novo mundo, para essa nova era.

Postura Urbana: Fale de seu dia a dia:
Emerson Godois: Vou ser breve nesta pergunta, divido meu tempo para o trabalho, para a leitura, para a música e outras prioridades que prefiro não citar aqui. Agradeço sua cordial compreensão.

Emerson, o Postura Urbana agrade a entrevista, parabéns por seu trabalho. SUCESSO!!!
Imagens: Arquivo Pessoal

Por: JGA

Imagem

ImagemImagemImagem

ImagemImagem

Publicado em Uncategorized

Exposição Salvador Dalí

Imagem

 “Dalí: A Divina Comédia”

A Exposição reúne 100 gravuras do pintor surrealista Salvador Dalí (1904 – 1989), inspiradas em uma das maiores obras da literatura mundial, a Divina Comédia, do poeta italiano Dante Alighieri.

Estive lá no sábado dia 05/10 com algumas amigas, vale a pena conferir.

Até dia 27 de outubro/2013

Horário:  9h às 19h

Onde?  CAIXA Cultural São Paulo

Endereço: Praça da Sé, 111 – Centro

Tel: 3321-4400

Quanto? Grátis

Imagem: Google Imagens

Por: JGA

Publicado em Tag -Entrevistas

Cristiane Sugawara

Imagem

Área de Atuação: Terapia Ocupacional

Cidade: Atibaia – São Paulo

Postura Urbana:  A Terapia Ocupacional tem várias vertentes, qual a sua?

Cristiane Sugawara: A Terapia Ocupacional tem 3 vertentes: Social, Mental e Física. Eu digo que eu trabalho em todas. Trabalhei por muitos anos com Home Care, e na realidade atuava nestas 3 áreas, não tem como desvencilhar. Hoje trabalho em uma Instituição filantrópica que abriga excepcionais carentes, ou seja, não tenho como fugir destas vertentes.

Postura Urbana:   Qual caso mais difícil você ja tratou?

Cristiane Sugawara: Nossa, foram tantos casos, mas o que mais me marcou foi de uma paciente com ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica). É uma doença em que a pessoa vai perdendo todos os movimentos, continua lúcida até o final. Esta paciente fazia trabalhos manuais, pintava e bordava. Descobriu que tinha esta doença jovem ainda. Quando a conheci, ela já estava acamada, falava e com ajuda pintava em seda e utilizava o computador. Foram 5 anos de convivência, as visitas foram se espaçando de quinzenal para mensal, ela já não conseguia fazer mais nada e ano passado ela faleceu. Eu sabia que ela não iria ficar muito tempo entre nós, mas quando eu soube que ela havia falecido foi muito triste para mim.

Postura Urbana: O SUS tem um bom programa de Terapia Ocupacional?

Cristiane Sugawara: Não na prática. Há poucas vagas, na sua maioria em PSF (Programa da Saúde da Família) e contrato por um ano. Há muito tempo não vejo um concurso descente para Terapia Ocupacional, principalmente aqui em São Paulo. Poucas vagas e muita gente disputando, desisti de prestar concursos, pois era um dinheiro jogado fora.

Postura Urbana: Qual a melhor parte de seu trabalho?

Cristiane Sugawara: A melhor parte do meu trabalho é ver o sorriso de satisfação de um paciente ao realizar uma tarefa que antes era tão simples, mas com a doença ele deixou de realizar e com a minha ajuda ele conseguiu realiza-la novamente.

Postura Urbana:  Fale de seu dia a dia:

Cristiane Sugawara: Trabalho em uma Instituição filantrópica que abriga excepcionais carentes. Cuido de duas unidades, onde há 115 assistidos. Na sua maioria acamados e na faixa etária entre 30 e 39 anos. Passo todos os dias em todos os leitos, quando possível levo os que deambulam ou que eu consigo levar na cadeira de rodas até a minha sala para realizar as atividades.

Imagem

ImagemImagemImagemImagem

Cris, o Postura Urbana Agradece a entrevista, Parabéns pelo trabalho. SUCESSO!!!

Imagens: Arquivo Pessoal

Por: JGA