Publicado em Tag -Entrevistas

Rosangela Rubbo,Artes Manuais, Moda e Consumo Consciente!

03

Rosangela Rubbo – empreendedora, artesã, modelista.

Cidade: Campinas -SP

Postura Urbana – Como começou seu envolvimento com a moda?

Rosangela Rubbo –  Com a moda especificamente eu comecei quando fui para a faculdade de designer de moda e vi que tudo aquilo que eu tinha aprendido numa vida toda (fui fazer faculdade de moda quando eu já tinha 50 anos) Percebi que a costura, o patchwork, o artesanal de uma forma geral era muito presente na moda e se valorizando cada vez mais. Fiquei encantada e resolvi trabalhar para que as atividades manuais fossem cada vez mais valorizadas

Postura Urbana – Defina moda.

Rosangela Rubbo –  Moda é a expressão cultural de um povo, é a forma como falamos do nosso mundo, das nossas raízes. Mesmo que ela esteja muito globalizada sempre haverá um toque local causando a diferença.

Postura Urbana – O que te inspira?

Rosangela Rubbo –  A mulher me inspira, com tanta luta para libertá-la de amarras, gosto de mostrar que aquilo que outrora era sinal de submissão, hoje pode ser motivo de emponderamento e ao mesmo tempo, trás feminilidade e beleza, por que o encantamento com o belo, é a marca da mulher. A mulher é a responsável pelo que de mais belo existe, a vida, então ela nunca deveria afastar-se desta magia.

Postura Urbana – Acha que o conceito de capitalismo consciente é uma tendência passageira?

Rosangela Rubbo –  Não, eu acredito que veio para ficar. É claro que teremos que avançar muito, mas estáa consciência é que permitirá que o capitalismo sobreviva. O capital tem necessidade de expandir-se e só fará isso através de novas frentes de consumidores, de aumento de mercado. Ao mesmo tempo, terá que ser social e ambientalmente  justo pois só assim o planeta e o capitalismo poderão sobreviver.

Postura Urbana – Qual sua visão da moda brasileira?

Rosangela Rubbo –  Apesar de muitas opiniões contrárias, acho a moda brasileira bastante punjante. Temos um DNA que, queiramos ou não, se faz visível na forma como nos vestimos, como usamos acessórios, como decoramos nossas casas, nas nossa construções arquitetônicas, etc.  A produção em si, também é forte, veja quantos pequenos negócios existem na órbita da moda.

Postura Urbana – Sendo o brasileiro um povo criativo por natureza, porque então a necessidade das grandes marcas se basearem tanto na moda que vem de fora, principalmente a europeia?

Rosangela Rubbo –  Eu penso que isso se deve a nossas escolas. Temos muitas escolas, mas este ramo de educação é bastante recente, e , não sei se estou correta, mas acredito que se baseiam em grades de grandes escolas estrangeiras, principalmente França e esta visão é passada para os alunos. Além disto, por ser uma atividade educacional muito recente, os poucos grandes estilistas do século passado, foram ou autodidatas ou se formaram fora, o que não contribuiu para um pensar brasileiro.

Postura Urbana – Pra você qual a importância de resgatar trabalhos manuais?

Rosangela Rubbo –  Como disse é uma luta para emponderamento feminino. As mulheres da minha geração aprenderam muito dos trabalhos manuais e nunca pensaram que isto poderia levá-las a tornarem-se profissionais e garantir-lhes liberdade econômica, consequentemente não ensinaram aos seus filhos. Se pensarmos que com tanta dificuldade que a mulher tem para sobreviver com infinitas jornadas de trabalho a atividade artesanal é um caminho muito bom que consegue conciliar vários deste mundo em que estamos imersas. Além disto, da mulher acho que o trabalho artesanal deveria ser preservado e trabalhado por homens e mulheres, é uma expressão cultural muito importante. Todo mundo tem a memória de uma costureira na infância, dá avó bordando ou tricotando…é nossa história que está aí para ser lembrada e preservada. Por fim, também penso que é uma forma de nos contrapormos a este mundo pós contemporâneo e alucinado, uma forma de nos voltarmos para dentro, pra o belo, para a paz, para o fluir da vida.

Postura Urbana – Qual seu envolvimento com projetos sociais?

Rosangela Rubbo –  Sou apaixonada por projetos sociais. Participei de vários e vejo como um grande caminho para ajudar a eliminação da pobreza, para a melhoria da educação, para a valorização da comunidade e do ser humano. Quando você pensa um projeto social, automaticamente você volta os olhos para uma comunidade específica, para avaliar quais as necessidades daquelas pessoas, o que poderia realmente ajudar, como conseguir empatia…é um olhar diferente, profundo, nunca será superficial. Ok vc pode dizer que algumas pessoas só querem ganhar um dinheiro extra, mas mesmo assim precisa mergulhar neste universo para adequar seu projeto àquelas pessoas especificamente, e isto não se faz sem conhecer.

Postura Urbana – Pra você, o que realmente falta para que o governo de fato

efetive programas de política pública eficientes e constantes?

Rosangela Rubbo –  Investir em educação, um povo com boa educação, com bom repertório, cobra dos seus governantes. Acho que por isto que nunca investiram rsrsrsrsrsr

Postura Urbana – Como surgiu a escola Rubbo?

A escola Rubbo surgiu da minha constatação na faculdade, que as atividades manuais eram muito valorizadas e as pessoas não se davam conta disto. Muita gente que é criativa não se aventura nas artesanias pensando nisto, como um hobby e na verdade isto pode tornar-se um grande negócio ao mesmo tempo que ressignifica todo um passado de memórias que todos nós carregamos.

Postura Urbana – Como Rosangela Rubbo se define?

Rosangela Rubbo –  Uma pessoa inquieta que deseja sempre mais e mais conhecimento, quero difundir cada vez mais o que sei.

06

07

09

10

12

08

01

02

04

11

 

A Rubbo – Escola de Moda e Manualidade está situada na Rua: Santo Anastácio 78

Jardim Nova Europa Campinas
Fone (19) 3278-2107
Cel (19) 9 9795-5965

Ro, o POSTURA URBANA agradece a entrevista, Sucesso!

Imagens e vídeo: Arquivo pessoal

POR :JGA

Anúncios